Agricultura

As técnicas agrícolas convencionais preconizam que a adição de insumos deve ser realizada de maneira uniforme. Quando o adubo é adicionado no solo, a mesma formulação é utilizada em toda a propriedade rural, sem que as particularidades físico-químicas de cada área sejam levadas em consideração. Essa prática resolve somente as limitações da propriedade no que diz respeito à disponibilização de nutrientes para a cultura, podendo contaminar a água e o solo, além de provocar prejuízos financeiros causados pelo uso excessivo de insumos agrícolas.

Entretanto, é importante enfatizar que nem sempre o solo de uma propriedade agrícola apresenta uma composição uniforme. O terreno pode apresentar áreas de diferentes características físico-químicas e necessitar de quantidades diferenciadas de insumo. A conscientização social sobre a necessidade de preservar o meio ambiente e a demanda de otimização de recursos para produzir alimentos mais competitivos favorecem o desenvolvimento de novos métodos para conduzir a propriedade agrícola.

Nesse contexto, a agricultura de precisão – conjunto de técnicas que permitem o gerenciamento localizado dos cultivos – desponta como promessa no cenário brasileiro. O Sistema de Posicionamento Global (GPS), Sistema de Informações Geográficas (GIS) e máquinas de aplicação localizada de insumos a taxas variáveis são algumas das ferramentas que tratam, especificamente, cada ponto da propriedade agrícola. Para essa tarefa, cada particularidade do solo . O resultado é a otimização dos gastos da produção agrícola.

Surgimento

A idéia de agricultura de precisão surgiu antes mesmo do período da Revolução Industrial como uma técnica de tratar a cultura em busca do seu melhor rendimento, levando em conta os aspectos de localização, fertilidade do solo, entre outros fatores.
Os fundamentos para a agricultura de precisão moderna, como conhecemos hoje, vem do início do século XX, porém somente na década de 1980, na Europa e nos EUA, com o desenvolvimento de microcomputadores, sensores e softwares é que a agricultura de precisão tornou-se viável para os produtores.

Agricultura de precisão no Brasil

Apesar da importância do Brasil no cenário agrícola, a agricultura de precisão brasileira ainda está em uma fase muito incipiente. Sua ampliação favorecerá o negócio agrícola nacional através da otimização dos investimentos de recursos na produção. Periodicamente, a Universidade de São Paulo (USP), por meio da Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (Esalq) realiza simpósios de agricultura de precisão. Os eventos evidenciam a atual condição da agricultura de precisão no País e dão aos especialistas um rumo das metas futuras.
As modificações na cadeia canavieira nacional certamente implicarão em uma expansão exponencial da agricultura de precisão. Entre esses aspectos, podem ser destacados:

  • a grande expansão da mecanização do cultivo da cana;
  • a exigência legal de redução da área queimada dos canaviais antes da colheita;
  • os inconvenientes no processo de produção gerados pela colheita da cana crua.

Aliar a agricultura de precisão ao cultivo canavieiro manterá o Brasil como o maior produtor mundial de cana-de-açúcar e, sem dúvida, contribuirá para diminuir os impactos ambientais.

Ferramentas

O uso de ferramentas adequadas da agricultura de precisão contribui para a diminuição de perdas na agricultura. Por meio de tais ferramentas de agricultura de precisão é possível obter dados provenientes da análise da propriedade subdividida em pequenas áreas (informações geográficas georreferenciadas), relativos a irrigação, propriedades físicas do solo, necessidade de aplicação de defensivos. Quanto mais subdividida a propriedade rural, mais útil será a informação georreferenciada. O controle das variáveis que influenciam o cultivo depende do maior detalhamento das informações.

GPS

O GPS é um equipamento que associa dados de latitude e longitude às subdivisões da propriedade agrícola. A informação do local exato viabiliza a intervenção gerencial necessária para sanar determinado problema. O equipamento possibilita à agricultura de precisão uma alta eficácia. A utilização do GPS tende a aumentar graças aos seus benefícios. O custo do equipamento varia conforme o modelo.

GIS

São softwares que manuseiam dados geográficos e estão disponíveis no mercado em diferentes níveis de capacidade – desde simples mostradores de mapas até integradores de informações de diferentes bases de dados. Todos os modelos decodificam informações geográficas em gráficos.

Sistema de mapeamento de colheita

Utilizado para gerar informações sobre produtividade, o sistema armazena dados mapeados durante a colheita.

Técnica de taxas variáveis

A análise dos dados apurados através dos mapas de produtividade permite que o agricultor regule a aplicação de adubos, sementes e corretivos, conforme a necessidade do solo. Também é possível adotar dados levantados por sensores que dispensam o georreferenciamento, mas incluem sistemas de análise da informação e comando, em tempo real, para cada local adentrado.

Sensores remotos

Esta técnica utiliza aviões e satélites para levantar dados. É um recurso valioso para a agricultura de precisão, mas que ainda precisa ser melhorado para fornecer dados mais precisos.

Sensores de solo

Eles fornecem dados de composição do solo, nitrogênio, compactação e salinidade. Como o pH e a quantidade de fósforo e potássio, esses fatores não podem ser apurados por sensores remotos.

Agricultura de precisão e empregos rurais

Apesar das discussões sobre o aumento do desemprego nas propriedades agrícolas como resultado da modernização das lavouras, a agricultura de precisão vislumbra para um farto mercado de manuseio e manutenção de equipamentos, desenvolvimento de novos produtos e ampliação do mercado já existente. Entretanto, essa nova estrutura demandará profissionais especializados.

Autor: Rubens Augusto Camargo Lamparelli
Fonte: http://www.agencia.cnptia.embrapa.br